Pensando a Moda

Procura-se: Estilistas para Contratos Longos


Notice: Undefined variable: listtag in /home/storage/752/3595752/user/htdocs/wp-content/plugins/image-gallery-reloaded/image-gallery-reloaded.php on line 202

Me esforço para não ser uma daquelas pessoas com uma visão nostálgica, mas a cada notícia sobre o atual estado da moda é difícil não pensar que as coisas estão muito estranhas. Lendo este post da Nicole Phelps, sobre a saída de Hedi Slimane da Saint Laurent, é inevitável não pensar como a moda entrou em um caminho perigoso. Como que as marcas pretendem manter seus legados se a troca de diretores criativos virou algo corriqueiro?

Tom Ford ficou quase 15 anos na Gucci, John Galliano, 14 na Dior (e até onde se sabe uma crise pessoal provocou sua demissão, não desavenças profissionais). Nicholas Ghesquière, Marc Jacobs e Alber Elbaz permaneceram por mais de uma década na Balenciaga, na Louis Vuitton e na Lanvin, respectivamente. De repente, 5 anos viraram um longo período. Raf Simons, Alexander Wang e Slimane nem atingiram a marca e quem ganhar o posto na Dior e na Saint Laurent vai enfrentar o desafio de manter o sucesso comercial sem desfrutar da mesma liberdade de criação. Menos liberdade sim, porque no caso da Saint Laurent, por exemplo, houve uma renovação completa nas lojas e até na logo (o Yves caiu, lembram?), que por motivos óbvios não vai ser repetida tão cedo.

No olhar do consumidor, talvez os nomes dos estilistas não sejam tão relevantes enquanto os produtos continuarem sendo atraentes. Mas só de saber que a dança das cadeiras está cada vez mais frequente já basta para prejudicar a imagem da marca. Como o cliente vai acreditar no tal conceito de heritage se uma empresa não consegue segurar seus diretores de criação por muito tempo? Não é irônico?

Talvez a próxima fronteira vai ser a introdução de parcerias no estilo fast fashion no mercado de luxo. A equipe interna cuida das atividades cotidianas enquanto colaborações pontuais com diferentes designers causam “aquela” sensação. Sinceramente, já dá para vislumbrar esta nova realidade, afinal de contas estamos na era do Snapchat, em que conteúdos são criados para literalmente desaparecer em uma questão de horas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.